Canto uns hinos durante o culto, depois vem as leituras, a confissão, a mensagem, a oferta, a Santa Ceia e pronto. Tá, mas é sempre do mesmo jeito... Por que?

 

O momento anterior ao culto deve ser de culto individual em que você pode se concentrar para este encontro com Deus e deixar que os outros também se concentrem. Por isso o silêncio é importante e qualquer cumprimento e conversas devem ser poucos e discretos. Além disso, como parte do zelo cristão e em respeito a este momento, o melhor é chegar a tempo para que você possa se preparar e participar de todo o culto com calma. O culto tem cinco momentos: A preparação, a adoração, ofício da Palavra, oficio da Santa Ceia e Despedida.

I. Preparação

A acolhida: É feita antes ou após a entrada do pastor com uma saudação breve que demonstra o início do culto. É quando o pastor anuncia se haverá algo de diferente da liturgia ou anuncia o tema do culto se desejar.

 

Hino: cantando o hino nos preparamos para o culto, para nosso encontro com Deus.

 

A Invocação: é quando a congregação fica de pé e neste momento se confessa o nome de Deus, pelo qual nos reunimos e estamos certos de sua presença.

 

A alocução confessional: aqui apontamos para o perdão que Deus nos dá.

 

A confissão: dizemos que precisamos confessar que somos pecadores e que precisamos da absolvição. É feita com um responsório ou um momento de silêncio para um auto-exame.

 

A Absolvição: é nela que nossos pecados são absolvidos, perdoados pelo ministro (Pastor). Há então o desponsório em que nos mostramos gratos pelo perdão e começamos o louvor.

 

2. Adoração

Salmo/Introito: de acordo com o hino de entrada (intróito) o pastor se vira para o altar, assim como a congregação. Aqui começamos a adoração com o livro de Salmos, e os versículos são lidos de forma alternada e responsava entre o pastor e a congregação ou entre duas partes da congregação. Como esse salmo faz parte da adoração, aqui não são lidos versículos que pedem vingança (entre outras coisas).

 

Kyrie (Senhor tem piedade): Com as palavras do Kyrie aclamamos que Jesus é Rei e Salvador. Ele é feito com alegria e certeza que Deus nos escuta em nossas orações levadas a Ele durante o culto.

 

Gloria in Excelsis: é o hino de ponto alto da adoração. Ele ressalta o cumprimento da promessa de Deus em Jesus. Este canto nos dá a certeza da presença de Deus e aguardamos seu agir perante os sacramentos e pela Palavra.

3. Ofício da Palavra

Oração do dia/ coleta: O oficiante convida com o dizer “oremos”. Esta oração é feita de acordo com o assunto do dia.

 

Leituras: Deve ser o momento de maior atenção  no culto, evitando tudo o que possa desconcentrar quem participa dele. Por que? Porque é a Palavra de Deus sendo lida. As leituras fazem a congregação escutar a palavra de Deus.É um momento em que o real sacerdócio dos cristõas é mostrado por membros que as fazem. A escolha das leituras para o ano é feita de uma forma que todos os principais textos da bíblia sejam lidos

Primeira Leitura:  São lidos principalmente textos do antigo testamento (na páscoa podem ser lidos textos de Atos dos Apóstolos)

Segunda Leitura: geralmente traz textos de epístolas, Atos dos Apóstolos e Apocalipse.

 

Após a segunda leitura a congregação entoa o “Aleluia” tríplice (na quaresma se entoa o Amém).

 

Hino: O hino deste momento busca repetir sobre as leituras realizadas e caminhar para a leitura do Evangelho.

 

Leitura do Evangelho: nos 4 evangelhos encontramos as obras, vida, morte e ressurreição de Cristo. Esta leitura portanto é geralmente feita pelo pastor e a congregação deve ficar de pé por se tratar dos dizeres de Cristo a nós.

 

Confissão de fé: é quando confessamos no que cremos. Geralmente a congregação entoa um dos Credos.

 

Hino: este hino prepara quem participa do culto para a mensagem. Pede-se que a compreensão, o falar e o ouvir sejam abençoados.

 

Sermão/Mensagem: o ponto alto do culto. No sermão se fala da lei, vontade, misericórdia e graça de Deus, portanto Lei e Evangelho. No sermão o pastor relaciona os textos lidos com o tema do culto e com os ouvintes, de acordo com o contexto em que vivem.

 

Avisos e oração:  O culto é o encontro semanal da família da fé. Neste momento os avisos são transmitidos de forma breve e objetiva. São lembrados também pedidos e agradecimentos dos congregados. Não convém que os motivos colocados aqui sejam muito pessoais para que não tornem a oração muito egocêntrica, mas sim relacionados com a vida da igreja.

 

Oração Geral: Ela pode ser feita com participação responsava da igreja ou apenas feita pelo pastor. Nela geralmente estão, nesta ordem: 1- intercessão pela igreja e seus líderes, além de assuntos da congregação; 2 - Pedidos pelo mundo, governos, boa ordem e paz; 3 - pedidos pelas pessoas em suas necessidades e perseguidos pela fé e 4 - oração em favor de fins bem-aventurados.

 

Ofertas: É a expressão da nossa fé de que Deus nos concede muitas coisas em nossas vidas diárias e queremos compartilhar com os mais necessitados e dispor para Deus meios para a expansão da igreja cristã.

4. Ofício da Santa Ceia

Ofertório: é o hino de preparação para a Santa Ceia. Pede que o Espirito Santo fortaleça nossa fé e nos prepare para este momento 

 

Prefácio e Santo: são cânticos muito antigos. Aqui há o convite, uma ação de graças e a adoração. no “Santo, Santo, Santo” - canto dos anjos ouvido por Isaías (6.3) nos lembra que Cristo vem ao nosso encontro através da Santa Ceia.

 

Consagração: é o ato pelo qual o pão e o vinho, através das palavras da instituição, se tornam contendores do corpo e sangue de Cristo, e parecença de Cristo se torna real.

 

Paz do Senhor: Como Jesus derramou sangue para selar a paz entre Deus e os homens a ceia nos relembra isso. Assim a congregação e o pastor compartilham a paz recebida.

 

Distribuição: Lembra o que Cristo fez por nós, assegurando-nos perdão, vida e salvação. Ela pode ser feita de diversas formas, o que importa é que ao receber o pão e o vinho o participante possa ouvir as palavras que asseguram que está recebendo o corpo e sangue de Cristo.

5. Despedida

Despede-nos Senhor: Relaciona a Santa Ceia com a encarnação de Jesus, o Salvador.

 

Ação de Graças: Lembra a finalidade da Santa Ceia, do Cristo ressuscitado, o Salvador, e até que ele volte a igreja de Cristo vai se reunir em torno da Santa Ceia. Agradecemos pela salvação e pedimos que fortaleça a nossa fé para que compartilhemos o amor recebido, continuando nosso culto durante a semana.

 

Benção: A presença de Deus é assegurada, assim como sua proteção. O pastor a faz com os braços levantados como ato sacramental, não de desejo apenas.

 

Hino Final: O hino reforça o “Amém” ou reforça a mensagem pregada no culto. É cantada em pé e é uma música não demorada.

A ordem de culto apresentada é resultado de pesquisas entre literaturas e práticas. Nem todos os pontos podem estar explicados aqui, porém certamente qualquer culto tem em sua composição os itens mencionados.